EXCLUSIVO: 85% da população negra tem interesse em empreender; para 25%, é o maior sonho

Notícias Noticias Globo

Quase nove em cada dez pessoas negras no Brasil (85%) têm interesse em empreender, segundo a pesquisa Potência Negra, elaborada pela Feira Preta e pelo Instituto Locomotiva Brasil. Entre homens negros, o percentual é de 83%, chegando a 88% entre mulheres negras. Os resultados do estudo foram divulgados em primeira mão a Pequenas Empresas & Grandes Negócios, neste Dia da Consciência Negra.

A pesquisa ouviu 2.029 homens e mulheres com mais de 18 anos, sendo 560 empreendedores, em todo o Brasil, entre os dias 23 e 30 de setembro de 2021.

Cerca de 94% afirmam que sempre buscam alcançar os objetivos, apesar das dificuldades. O principal desafio apontado para tirar os sonhos do papel é disponibilidade de dinheiro (64%). Seis em cada dez contam com apoio financeiro de familiares e pessoas próximas para concretizar projetos pessoais ou profissionais. Entre os jovens negros de até 35 anos, além do dinheiro, outra barreira mencionada por dois em cada dez respondentes (21%) é o acesso aos estudos. Destes, apenas 13% têm acesso ao ensino superior.

“Ainda temos poucos dados sobre a população negra no Brasil, e a Feira Preta vem fazendo esse trabalho cuidadoso e essencial de mapear nossa potência como povo, mas também como indivíduos. Esse é um estudo que aborda hábitos e interesses da sociedade como um todo, tendo em vista que somos a maioria da população. O principal objetivo aqui é mostrar que os interesses e os sonhos da população negra devem ser cada vez mais levados em conta pelo mercado, na educação, emprego, consumo e tecnologia. Somos a força motriz da economia, seja empreendendo ou movimentando trilhões com a compra de produtos e serviços”, afirma Adriana Barbosa, fundadora da Feira Preta.

De fato, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), utilizados como base pelo estudo, 116 milhões de pessoas negras vivem no Brasil, o equivalente a 55% da população. No Norte (81%) e Nordeste (74%), as proporções são ainda maiores. A pesquisa destaca que esse contingente coloca o país como a segunda maior população negra do planeta, atrás apenas da Nigéria.

Isso também se reflete no número de empreendedores ativos no país. Atualmente, cerca de 51% dos 28 milhões de empresários e profissionais autônomos brasileiros são negros. De acordo com levantamento do Instituto Locomotiva, com base em dados do IBGE, 14,5 milhões são homens e 4,6 milhões são mulheres.

Entre os donos de negócios entrevistados, quase todos (97%) se identificam como modernos e inovadores. E o empreendedorismo negro também representa potência econômica: empresários homens movimentam R$ 288 bilhões por ano, e mulheres donas de negócios correspondem a mais de R$ 73 bilhões. Apesar disso, a formalização ainda é baixa: apenas 21% dos empreendedores negros têm CNPJ. Entre os não negros, esse índice chega a 41%.

O empreendedorismo é visto como uma alternativa às desigualdades no mercado de trabalho. Entretanto, negros consideram que sofrem preconceito ao tentar abrir um negócio. A percepção é de 85% para homens negros e ainda mais alta, chegando a 90%, para mulheres negras e jovens negros de até 35 anos.

Em geral, 96% da população negra afirma ter sonhos, e 68% têm certeza de que podem realizá-los. Abrir ou ampliar o próprio negócio é o principal sonho da população negra (25%), junto de comprar ou quitar a casa própria (24%) e cursar ou terminar a faculdade (12%). Os índices de empreendedorismo aparecem mais altos nas respostas atribuídas a homens negros mais velhos (33%).

O estudo aponta que o potencial de consumo da população negra em 2021 deverá chegar a R$ 2 trilhões. Ao escolher produtos e serviços, 73% avaliam quais são as causas e os valores apoiados pela marca.

O número de pessoas que se identificam como negras cresceu 9% nos últimos anos. De acordo com a pesquisa, 96% têm orgulho da sua origem e 95% têm confiança no próprio potencial e na capacidade de alcançar objetivos. A Feira Preta e o Instituto Locomotiva avaliam que esses números refletem o “efeito sistêmico do empoderamento e da equidade racial.”

“A pesquisa nos mostra que, mesmo com toda dificuldade e desigualdade, a população negra tem orgulho de onde veio e está disposta a estudar, empreender e batalhar para conquistar seus sonhos e ocupar lugares que historicamente lhes foram privados. Vale destacar também que a luta antirracista tem proporcionado um aumento da autoestima do povo negro, e esse fator é fundamental para dar confiança aos que pretendem empreender”, afirma Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva.

foto: Foto: RODNAE Productions / Pexels

fonte : revistapegn.globo.com/Empreendedorismo/noticia/2021/11/85-da-populacao-negra-tem-interesse-em-empreendedorismo-para-25-e-o-maior-sonho.html